Com saúde 100%, Lula inicia agenda intensa até eleição, com viagens ao Paraná, Rio, Minas, Uruguai e Cariri (CE)

Após exames de rotinas realizadas nesta quarta-feira (16/03) no Hospital Sírio Libanês, o ex-presidente Lula (PT) inicia nesta sexta-feira (18/03) maratona intensa até as eleições.  A primeira etapa da maratona contempla visita ao Paraná, Rio de Janeiro, Uruguai, Minas Gerais e a região do Cariri no Ceará.

A primeira parada será no Paraná, nesta sexta, onde o petista abonará a filiação do ex-senador Roberto Requião, que deverá concorrer ao governo do Estado e visitar um assentamento do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), em Londrina (PR), onde homenageará cerca de mil ativistas que receberão cartazes autografados sob a frase: “Serei eternamente grato e fiel à luta de vocês em defesa da minha liberdade por justiça no Brasil”. Uma forma que Lula encontrou de eternizar sua gratidão a um grupo de militantes que participou da “Vigília Lula Livre”, acampamento que durou 580 dias, instalado nas proximidades da sede da Polícia Federal em Curitiba, no período em que o líder petista estava preso.

Festival Vermelho no Rio

No Rio de Janeiro,  ex-presidente Lula confirmou sua participação no “Festival Vermelho”, celebração de 100 anos do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que acontecerá em Niterói, nos dia 25 e 26 de março. O evento pretende reunir diversas figuras políticas do campo progressista. 

A programação conta ainda com atividades culturais e políticas com a presença de artistas e personalidades nacionais e internacionais. O evento é organizado pelo PCdoB em parceria com a Fundação Maurício Grabois (FMG) e tem inspiração em grandes festas internacionais da esquerda, como a Festa Avante, em Portugal, a Fête de L’Humanité, na França, a Fiesta de Los Abrazos, no Chile, e a Manifiesta, da Bélgica.

A escolha do local onde será realizado o festival, o Caminho Niemeyer, tem uma simbologia importante. Os equipamentos culturais foram projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer, que era comunista. O Teatro Popular de Niterói, que faz parte do complexo arquitetônico, inclusive, abriga um painel com um símbolo desta ideologia política. 

Além da participação no “Festival Vermelho”, Lula encontrará líderes políticos e também encontrar artistas, como o sambista Martinho da Vila. Em sua última agenda, que foi suspensa devido ao deslizamento que soterrou inúmeras casas e matou mais de duas centenas de pessoas em Petrópolis (RJ), estava o encontro com o cantor.

Uruguai com Mujica

No Uruguai, Lula visitará o ex-presidente José Mujica. A viagem é uma retribuição da visita que o petista recebeu de Mujica em 2018, quando estava preso. Lula e Mujica estiveram juntos em dezembro do ano passado durante um evento do governo argentino, que homenageou lideranças defensoras de direitos humanos, entre os quais os dois ex-presidentes. Mujica é cotado para disputar a eleição uruguaia em 2025.

Em Minas, última “cartada” em Kassab

Em Minas Gerais, se a campanha eleitoral fosse um jogo de xadrez, Lula já estaria preparando o “xeque-mate” sobre o ex- prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD. Lá pesquisa encomendada pelo PT/MG, concluiu que o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), chega a 32% quando é apresentado como o candidato do ex-presidente Lula. Seu opositor, o atual governador, Romeu Zema (Novo) fica com 38%. Já sem Lula, Kalil aparece com 24% e Zema 44%.

Lula é muito forte no interior mineiro, tem em torno de 45% das intenções de votos, justamente onde Kalil apresenta maior fragilidade eleitoral, por ser menos conhecido.

Kalil deve deixar a prefeitura de Belo Horizonte dia 25 deste mês de março. Lula só está esperando a data para conversar com o prefeito.

“Eu pretendo, efetivamente, conversar com o Kalil. Eu estou com todo o respeito institucional, porque estou esperando ver se o Kalil é candidato, ele tem que se afastar da prefeitura. Quando o Kalil se afastar da prefeitura, aí sim, eu pretendo conversar com ele e estabelecer a possibilidade de construir uma aliança política”, sempre declara o ex-presidente quando perguntado sobre o assunto.

Kalil, por sua vez também joga confete sobre a eventual aliança. “Será um prazer conversar com todo mundo, principalmente o presidente Lula, que está liderando as pesquisas e tem um histórico social muito claro”, disse na sexta-feira (15/03), durante visita a um centro de saúde em Belo Horizonte. 

Lula quer um senador

Outra pesquisa divulgada nesta terça-feira, desta vez do instituto Real Time Big Data, além de confirma a pesquisa petista, nela Zema aparece com 40% e Kalil com 23%, eleva o poder de barganha petista. O deputado federal Reginaldo Lopes (PT/MG), nome de Lula para disputar a única vaga no Senado, aparece na frente das intenções de votos com 13% e o segundo colocado, o ex-ministro do Turismo Marcelo Alvaro (União Brasil) ficou com 6%.

O resultado aumenta a pressão, não a Kalil, que já busca a companhia de Lula, mas sobre Kassab, que ainda insiste que seu partido tenha candidato à Presidência da
República. Agora a negociação é com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que mudaria para o PSD.

Mas já há rumores de que, caso Kassab insista em lançar candidato à Presidência da República, Kalil mudaria para o PSB para fechar com Lula. Para Lula o interesse maior, no caso de Minas Gerais, é eleger Reginaldo Lopes para o Senado Federal, além é claro, dos votos que Kalil eventualmente possa trazer à sua candidatura.

Região do Cariri, no Ceará

Lula e Janja com Camilo Santana


Outra área que Lula deve visitar é à região do Cariri cearense, área de grande concentração populacional no Sul do Ceará, com influência no interior da Paraíba e Pernambuco. No Ceará, o PT deve lutar pela eleição do governador Camilo Santana, para o Senado Federal e apoiar a candidatura a governo indicado pelo PDT de Ciro e Cid Gomes.

Em São Paulo, Lula lidera para presidente e Haddad para governador. Vencem a todos no segundo turno

Pesquisa Quaest/Genial divulgada nesta quinta-feira (17/03) indica que o ex-presidente Lula (PT) lidera em São Paulo para presidente da República e o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) lidera para governador do Estado. São Paulo é o maior colégio eleitoral e a maior economia do país. Para presidente, Lula aparece 39% das intenções de voto,  seguido de Jair Bolsonaro (PL) com 25%, o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) atingiu 8%, e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), 5%, o governador de SP, João Doria (PSDB), tem 3% , o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), a senadora Simone Tebet (MDB) e o deputado federal André Janones (Avante) ficaram com 1%.

Em eventual segundo turno, em São Paulo, Lula venceria todos os demais candidatos, sendo que contra Bolsonaro, Lula teria 48% e Bolsonaro 31%. Nulo/branco/nenhum desses são 20% Indecisos: 2%.

Haddad também vence todos

Para o governo de São Paulo, Fernando Haddad seria o mais votado no primeiro turno e no segundo turno venceria em todos os cenários, de acordo a pesquisa Genial/Quaest.

Veja os possíveis cenários

Cenário I

Haddad – 24%
França – 18%
Tarcísio – 9%
Boulos – 7%
Renata Abreu – 3%
Rodrigo Garcia – 3%
Poit – 2%
Ramuth – 1%
Weintraub – 1%
Branco/Nulo/Não pretende votar – 24%
Indecisos – 9%

Cenário II

Haddad – 30%
Tarcísio – 11%
Renata Abreu – 7%
Rodrigo Garcia – 5%
Poit – 3%
Ramuth – 3%
Branco/Nulo/Não pretende votar – 32%
Indecisos – 10%

Cenário III

Haddad – 31%
Tarcísio – 12%
Rodrigo Garcia – 6%
Poit – 4%
Ramuth – 3%
Branco/Nulo/Não pretende votar – 33%
Indecisos – 11%

SEGUNDO TURNO

Cenário I

Haddad – 41%
Garcia – 25%
Branco/Nulo/Não pretende votar – 28%
Indecisos – 6%

Cenário II

Haddad – 42%
Tarcísio – 27%
Branco/Nulo/Não pretende votar – 23%
Indecisos – 5%

Cenário III

Haddad – 38%
França – 33%
Branco/Nulo/Não pretende votar – 23%
Indecisos – 5%

Na pesquisa foram ouvidas 1.640 pessoas de forma presencial entre os dias 11 e 14 de março. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral com o número SP-03634-2022.

Entre mulheres, Lula tem 48% contra 20% de Bolsonaro, indica pesquisa Genial/Quaest

Se dependesse apenas do eleitorado feminino, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria a eleição de outubro no primeiro turno, caso as eleições fossem hoje, indica dados da pesquisa Genial/Quaest, divulgada nesta quarta-feira (16/3). De acordo com o levantamento, Lula teria 48% dos votos femininos (55% dos votos válidos) contra 39% ( 45% de votos válidos) de oito possíveis candidatos, entre eles Jair Bolsonaro que terminaria o pleito com apenas 20% dos votos femininos.

Entre o público masculino, o placar dessa pesquisa estimulada para o primeiro turno também ficou a favor de Lula, mas com uma diferença menor. O petista deve 41% da preferência contra 31% a favor de Bolsonaro. 

Mulheres mais críticas 

A pesquisa mostra ainda que a avaliação negativa de Bolsonaro entre as mulheres ficou em 53% no mês de março, um ponto percentual abaixo do percentual de fevereiro (54%). Entre o público masculino, a avaliação negativa do atual governo passou de 48% para 43%  na mesma base de comparação.

Na média de todos os cenários da pesquisa estimulada para o primeiro turno, a preferência por Lula ficou estável, em 46% e Bolsonaro, em segundo lugar, passou de 24% para 26%.

O levantamento realizou duas mil entrevistas presenciais entre 10 e 13 de março e tem margem de erro de dois pontos percentuais. O nível de confiança da pesquisa é de 95%.

Lula tem 74% dos votos no Piauí, mais de cinco vezes o percentual de Bolsonaro que tem 13,18%

Pesquisa do Instituto Amostragem feita para a rede Meio Norte e divulgada nesta terça-feira (15/03) apontou que o ex-presidente Lula (PT) tem 74,63% dos votos no Piauí, seguido por Jair Bolsonaro (PL) 13,18%, Ciro Gomes (PDT) 6,7%, Sérgio Moro (Podemos) 2,75% e André Janones (Avante) 1,15%. Os demais possíveis candidatos não chegaram a 1%. Foram entrevistados 2 mil eleitores em 90 municípios do Piauí entre os dias 24 e 28 de fevereiro. A margem de erro é de 2,19 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Na disputa pelo governo estadual, Rafael Fonteles (PT) tem 59,83%, seguido por Sílvio Mendes (PSDB), com 25,47%.O pré-candidato de Jair Bolsonaro no estado, Major Diego (PL), ficou em terceiro com 7,16%, seguido por Gessy Fonseca (PSC), com 3,16%, e por Fábio Sérvio (Podemos), que teria o apoio de Moro e somou 2,45%. Os demais possíveis postulantes não chegaram a 1% das intenções de voto.

Pesquisa 2022: Com 50,5% dos votos válidos, Lula vence no 1º turno. Sem ‘nanicos’, vitória seria de 55,1% a 44,9%

Pesquisa Quaest/Genial para a eleição presidencial de 2022, divulgada nesta quarta-feira (16/03), traz o ex-presidente Lula (PT) em primeiro lugar com 45% das intenções de voto no primeiro turno. Com esse volume de votos, Lula seria eleito em primeiro turno com 50,5% dos votos válidos (excluídos brancos, nulos e indecisos), contra 49,5% de oito eventuais concorrentes. Em outro cenário, sem a candidatura do ex-juiz Sergio Moro e sem os candidatos nominados como ‘nanicos’, que pontuaram abaixo dos 2%, a vitória do petista em primeiro turno seria ainda mais folgada com 55,1% dos votos válidos, contra 44,9% dos votos válidos de Jair Bolsonaro e Ciro Gomes.

Em eventual segundo turno, contra Bolsonaro, Lula teria 62,8% dos votos válidos e Bolsonaro 37,2%.

Veja alguns cenários de votos totais

Cenário 1

  • Lula (PT) – 45%
  • Jair Bolsonaro (PL) – 25%
  • Ciro Gomes (PDT) – 7%
  • Sergio Moro (Podemos) – 6%
  • João Doria (PSDB) – 2%
  • André Janones (Avante) – 2%
  • Simone Tebet (MDB) – 1%
  • Eduardo Leite (PSDB) – 1%
  • Felipe d’Avila (Novo) – 0%
  • Branco/nulo/não vai votar – 6%
  • Indecisos – 4%

Cenário 2

  • Lula (PT) – 48%
  • Jair Bolsonaro (PL) – 28%
  • Ciro Gomes (PDT) – 8%
  • Eduardo Leite (PSDB) – 3%
  • Branco/nulo/não vai votar – 8%
  • Indecisos – 4%

Segundo turno

  • Lula (PT) – 54%
  • Jair Bolsonaro (PL) – 32%
  • Branco/nulo/não vai votar – 10%
  • Indecisos – 3%

Em Minas, Lula dá última “cartada” em Kassab na busca de vitória no 1º turno e por um senador

Como um grande jogador de xadrez capaz de atuar ao mesmo tempo contra vários concorrentes de estratégias, interesses e forma de jogar diferente, o ex-presidente Lula (PT), com muita paciência e jogadas calculadas,  vem ao longo de um ano, não só construindo sua candidatura à Presidência da República, mas também preparando terreno para eventual terceiro mandato no Palácio do Planalto.

Até agora, Lula, consolidou espaços entre os partidos mais à esquerda como PCdoB, PSOL, PV, PSB e grande parte da Rede Sustentabilidade. Agora avança sobre líderes e partidos do centro ideológico, como o PSD comandado por Gilberto Kassab, ex-ministro das Cidades do governo da petista Dilma Rousseff e ex-prefeito de São Paulo.

Se fosse em um jogo de xadrez, Lula já estaria preparando o “xeque-mate” sobre Kassab, em Minas Gerais. Lá pesquisa encomendada pelo PT/MG, concluiu que o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), chega a 32% quando é apresentado como o candidato do ex-presidente Lula. Seu opositor, o atual governador, Romeu Zema (Novo) fica com 38%. Já sem Lula, Kalil aparece com 24% e Zema 44%.

Lula é muito forte no interior mineiro, tem em torno de 45% das intenções de votos, justamente onde Kalil apresenta maior fragilidade eleitoral, por ser menos conhecido.

Kalil deve deixar a prefeitura de Belo Horizonte dia 25 deste mês de março. Lula só está esperando a data para conversar com o prefeito.

“Eu pretendo, efetivamente, conversar com o Kalil. Eu estou com todo o respeito institucional, porque estou esperando ver se o Kalil é candidato, ele tem que se afastar da prefeitura. Quando o Kalil se afastar da prefeitura, aí sim, eu pretendo conversar com ele e estabelecer a possibilidade de construir uma aliança política”, sempre declara o ex-presidente quando perguntado sobre o assunto.

Kalil, por sua vez também joga confete sobre a eventual aliança. “Será um prazer conversar com todo mundo, principalmente o presidente Lula, que está liderando as pesquisas e tem um histórico social muito claro”, disse nesta sexta-feira (15/03), durante visita a um centro de saúde em Belo Horizonte. 

Lula quer um senador

Outra pesquisa divulgada nesta terça-feira, desta vez do instituto Real Time Big Data, além de confirma a pesquisa petista, nela Zema aparece com 40% e Kalil com 23%, eleva o poder de barganha petista. O deputado federal Reginaldo Lopes (PT/MG), nome de Lula para disputar a única vaga no Senado, aparece na frente das intenções de votos com 13% e o segundo colocado, o ex-ministro do Turismo Marcelo Alvaro (União Brasil) ficou com 6%.

O resultado aumenta a pressão, não a Kalil, que já busca a companhia de Lula, mas sobre Kassab, que ainda insiste que seu partido tenha candidato à Presidência da
República. Agora a negociação é com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que mudaria para o PSD.

Mas já há rumores de que, caso Kassab insista em lançar candidato à Presidência da República, Kalil mudaria para o PSB para fechar com Lula. Para Lula o interesse maior, no caso de Minas Gerais, é eleger Reginaldo Lopes para o Senado Federal, além é claro, dos votos que Kalil eventualmente possa trazer à sua candidatura.

Lula implode terceira via. Partes de PDT, MDB, PSD e Rede já fecharam com ex-presidente

‘É indiferente. Meu candidato é o Lula’, disse nesta segunda-feira (14/03) o senador Omar Aziz (PSD/AM) em meio à discussão sobre a possível candidatura do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, cujo projeto seria trocar seu partido atual, o PSDB pelo PSD de Gilberto Kassab e ser candidato à Presidência da República. Essa é a segunda tentativa de Kassab de emplacar um candidato à Presidência. O primeiro foi o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD/MG) que já jogou a toalha após sua candidatura não passar de 1% das intenções de votos a seis meses da eleição.

Lula quer Kassab ao seu lado para ajudar a faturar a Presidência ainda no primeiro turno. Mas se ocorrer, Kassab deseja vender caro a adesão. No entanto, Lula vem “comendo pela beirada”. Na Bahia, após 15 anos de governos petistas, abriu mão da candidatura do senador Jaques Wagner (PT/BA) em prol da candidatura do também senador Otto Alencar (PSD/BA). O PSD tem 11 senadores atualmente. Um número muito interessante para Lula ter um Congresso Nacional ao seu lado em eventual terceiro mandato.

Entre senadores do PSD a avaliação é de que se perdeu muito tempo com o projeto “Rodrigo Pacheco” e que a eventual candidatura de Eduardo Leite também naufragará e o barco do petista está a todo vapor. Omar Aziz sabe disso. Por isso a clara frase: ‘É indiferente. Meu candidato é o Lula’. Semana passada, ao voltar de sua viagem ao México, Lula parou em Manaus e reuniu com lideranças partidárias, entre elas o senador Aziz. Além dos senadores Otto Alencar e Omar Aziz, Lula ainda deve fechar o maior apoio que será com o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil.

Melhor amigos de Lula no Maranhão

No PDT uma banda também está na torcida para que Ciro Gomes “jogue a toalha”. Chegaram a dar um ultimato: caso o ex-governador cearense não atingisse 10% até o carnaval, abandonariam a sua candidatura e embarcariam no bloco de Lula. Ciro continua a patinar na casa dos 7%.

Em busca de viabilizar sua candidatura ao governo do Maranhão, o senador Weverton Rocha (PDT/MA) chegou a se autoproclamar como o melhor amigo de Lula no Maranhão e quer ter Lula ao seu lado, ainda que tenha que dividir a presença do petista com o grupo do PT e dos liderados pelo governador Flávio Dino (PSB).

Renan pai e Renan Filho querem Lula

No MDB, a senadora Simonte Tebet (MDB-MS) continua buscando viabilizar sua candidatura. Mas também não passa de 1% nas intenções de votos. E ainda que continue como candidata, lideranças do MDB, principalmente no Nordeste não ficarão ao seu lado.

Em Alagoas, por exemplo, o governador Renan Filho (MDB) já fez foto e “tudo” com Lula, ao lado do pai, o senador Renan Calheiros (MDB/AL). No estado Renan Filho lidera para o senador e Lula para presidente da República. Lula quer os dois como aliados.

Na Rede só falto o abraço Lula x Marina

Na Rede Sustentabilidade os últimos avanços em direção ao ex-presidente petista foi o senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP) aceitar ser um dos coordenadores da campanha de Lula e os acertos com o PSOL para formação de uma federação partidária.

Outro sinal de que a Rede Sustentabilidade não se sustentará longe da campanha de Lula foi emitido bem antes das movimentações de Randolfe. Ainda no ano passado o senador Fabiano Contarato (PT/ES) deixou a Rede e em fevereiro deste ano se filiou ao PT. Agora, os dois senadores eleitos pela Rede em 2018, um está no PT e outro é coordenador de campanha de Lula. Por tudo isso, agora só falta a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva abraçar Lula. O resto está acertado.

Franco Silva – Do lago do Sapucuá (Amazônia)

Novo presidente do Chile declara apoio a Lula. “Desejamos muito sucesso a Lula. Tomara que tenha ótimo resultado”

Durante sua primeira entrevista coletiva, na manhã desta segunda-feira (14/03), o novo presidente do Chile, Gabriel Boric, declarou apoio ao ex-presidente Lula nas próximas eleições. Boric disse ainda que tem diferenças ideológicas com Bolsonaro, mas que isso não interferirá nas relações entre os dois países.

 “Claro, desejamos muito sucesso a Lula. Para que vamos esconder? Tomara que tenha um ótimo resultado nas próximas eleições”, disse o recém-empossado presidente chileno. Na última sexta-feira, Boric recebeu a faixa presidencial em uma cerimônia na cidade costeira de Valparaíso, mas que só terminou à noite na capital Santiago.

“Ele (Lula) foi meu convidado para a posse. Mas decidiu não vir justamente por diferenças diplomáticas, para não gerar um incidente diplomático. Uma atitude que depõe a seu favor. Espero que tenhamos uma relação muito boa daqui por diante, mas claro que vamos respeitar o que decidir o povo brasileiro. Mas, fica nítido onde está o nosso coração”, disse o presidente Boric com relação à ausência do ex-presidente Lula na cerimônia de posse que foi seu convidado de honra.

Lula não foi, mas mandou Dilma Rousseff. A ex-presidente acompanhou a posse no Salão Nobre do Congresso do Chile, junto a outros convidados brasileiros, entre eles Juliano Medeiros, presidente do PSOL, e Anielle Franco, diretora do Instituto Marielle Franco.

“Estive alguns minutos com Dilma e também com o presidente do PSOL. Em outro momento também conversei com Celso Amorim e com dirigentes sociais do MST”, disse Boric..

“Para todos é evidente que somos radicalmente distintos com relação ao presidente Bolsonaro e sua ideologia. Isso não tem sentido esconder, nem por diplomacia. Isso não significa que tenhamos que cortar relações com o Brasil. Significa que não temos semelhanças e que temos uma forma muito diferente de ver o mundo e de fazer política, em matéria de respeito às diversidades, em matéria de consciência sobre a crise climática, em matéria de respeito aos direitos humanos, por exemplo. Mas o povo brasileiro o elegeu e nós respeitamos o povo brasileiro”, concluiu o socialista.

Rede Sustentabilidade anuncia federação com PSOL e deve seguir com Lula no 1º turno

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) informou que seu partido, a Rede Sustentabilidade, decidiu de forma unânime, pela federação com o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade). O político anunciou a decisão no Twitter. Com a decisão, a nova federação deve seguir com o ex-presidente Lula ainda no primeiro turno da eleição presidencial. Randolfe, a convite de Lula, já é um dos coordenadores de campanha do petista e o PSOL, em seu Congresso Nacional ano passado, já havia decidido apoiar Lula no primeiro turno.

“É com imensa alegria que anuncia que o nosso partido, a Rede Sustentabilidade, decidiu, de forma unânime, pela federação com o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). Um passo importante na nossa luta contra o fascismo e por um Brasil mais justo e sustentável para o nosso povo!”, postou Randolfe.

Lula tem 62,6% em Pernambuco contra 16,5% de Bolsonaro. Vantagem do petista é de 46,1%

Se a eleição para presidente da República fosse neste sábado (12/03), o ex-presidente Lula (PT) teria em Pernambuco, 62,6% dos votos contra 16,5% do presidente Jair Bolsonaro. Uma vantagem do petista de 46,1%. É o que indica pesquisa Empetec/Diário, divulgada neste sábado.

Na pesquisa foram ouvidos 2019 eleitores entre os dias 26 de fevereiro e 4 de março. A margem de erro é de 2,23%, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O levantamento foi feito pela Empresa de Pesquisas Técnicas, Científicas e de Mercado LTDA (Empetec), tendo como contratante o jornal Diario de Pernambuco, e registrado no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco sob o número PE-03717/2022.

Na pesquisa estimulada Lula aparece com 62,6%, seguido de muito longe por Bolsonaro com 16,5%, Ciro Gomes (PDT), com 2,7%. Sergio Moro (Podemos) 1,7%, João Doria (PSDB) e Simone Tebet (MDB), com 0,2% e Rodrigo Pacheco (PSD) com 0,1%. Os que não votam em ninguém, em branco ou nulo são 9,1%. Outros 6,6% não sabem ou não responderam.